Sep 18, 2012

#118


Uau! 1 ano se passou, e eu ainda nao consigo acreditar. Aquela Larissa que embarcou dia 18 de setembro de 2011 mudou - se nao 100%, pelo menos uns 90. Eu aprendi tanto, amadureci tanto, passei por tanta coisa que ninguem acredita, que nem eu mesma acredito. Mas ta ai, e eu sou a primeira a dizer que o programa muda a gente SIM, que voce aprende a ser gente grande SIM e que se voce, pessoa mimada que sempre teve tudo de mamae e papai vier, so nao vai mudar se for muito teimosa. I mean, eu mudei, certo?

Ao mesmo tempo que quando eu olho pra tras, as coisas ruins parecem tao insignificantes agora, eh tao gostoso lembrar que eu passei por tudo e sobrevivi. Vou ser egocentrica e dizer que sim, sou guerreira. Alias, todas somos. Quem se sujeita a vir passar um ano - UM ANO GENTE, morando com uma familia que pode ser linda, que pode ser de gente doida, que pode ser de um bando de porcos, num lugar que voce nao domina a lingua, pra cuidar de kids que vc NUNCA VIU na vida, que nao te conhecem, nao sabem quem voce eh... olha, eu tiro o chapeu, viu? E tiro duas vezes pra quem, assim como eu, resolveu DUPLICAR o desafio e estendeu por mais um ano. Nao eh facil, mas eh gostoso olhar pra tras e ver o quanto voce mudou.

Eu costumo brincar que minha vida comecou quando eu mudei pra ca. Mas na verdade, os primeiros 9 meses foram justamente isso - uma gestacao. Passei do momento "mundo cor de rosa" pras "dores" interminaveis. De um conto de fadas pra um de terror. E sobrevivi. E depois dos 9 meses "madurando" (como dizem la na minha terra) eu nasci. Nasci pra ver o tanto que o mundo pode ser lindo, o tanto que a gente pode ser feliz sem sofrer. E claro que nascimento eh sinonimo de aprendizado. Cada dia aprendi algo novo. Aprendi a finalmente cuidar e lidar com o genio de duas criancas, CRIANCAS mesmo, e nao bebe. Aprendi a dirigir - sim, eu nao sabia! Aprendi a conviver - mais uma vez -, com dois adultos que poderiam gostar ou nao de mim. Aprendi a me orientar sem um GPS, mesmo tendo um, e descobri que meus sentidos sao melhores do que eu sempre imaginei.

E mesmo nao sendo um ano sem ver meus pais (eu fui visita-los em Abril), eh um ano vivendo longe de "casa". Mas opa, aonde que eh minha casa agora? Eh la, eh aqui? Estranho se sentir em casa num lugar que ate um ano atras, era TOTALMENTE estranho pra gente. Estranho tambem o quanto eu me adaptei rapido - na verdade, nao rolou o combo adaptacao + homesick. Eu cheguei e OPA, I'm home. Todos os dias durante esse ano eu acordei e me peguei pensando "estou nos Estados Unidos". E ao mesmo tempo "E dai? Eu moro aqui, eu SOU daqui, aqui eh minha casa e nao tem porque eu ficar tao feliz". Porque eu me sinto em casa aqui.

Dizem tambem que "Home is where the heart is." Meu coracao ja viajou muito nesses anos, viu? Mas como nem coracao eh de ferro, eu posso falar que metade do meu coracao ta la no Brasil com meus pais? Embora eu nao queira mais ir morar la, tem esse pedacinho brasileiro dentro de mim que de vez em quando urge e sai sambando pela casa...

3 comments:

  1. Que bom que você passou por todas estas mudanças e o saldo é positivo, e eu sei com toda certeza que é. Hoje eu não estou legal para escrever, você pôde perceber quando nos falamos ao telefone, mas, não podia deixar de registrar que amei o último parágrafo do seu post. É muito importante saber que você nos tem, eu e seu papai, dentro do coração, nós estamos hoje com muita saudade, muita mesmo, mas, feliz, se é que é possível, com a sua alegria. É muito paradoxal este sentimento.
    Continue curtindo tudo, meu amor, nós te amamos demais e só queremos o seu bem, acredite nisso.
    Eu te amo, beijos...

    ReplyDelete
  2. hahahahah diz a Belle que o ultimo paragrafo nao parece comigo, porque ve so se eu vou sair sambando por ai, hahahah
    te amo te amo te amo

    ReplyDelete
  3. Adorei esse post! parabéns Larissa... você é sim uma guerreira, e acho o máximo que consiga olhar pra trás e ver como tudo isso foi bom... rezo pra que eu pense assim também quando eu estiver aí...

    ReplyDelete