Apr 30, 2012

#83

O post de hoje deveria ter ate titulo, de tao importante que eh. Um desabafo la do fundo da minha alma, hahahaha: a importancia de se ter um carro na host family.

Eu nunca gostei de dirigir. Praticamente as unicas vezes que eu dirigi foi tirando minha CNH e as vezes de madrugada. Nao gosto, nao me sinto confiante, enfim, sou um desastre. Por isso um dos meu requisitos pra HF era nao precisar dirigir as kids. Mas na minha cabecinha de melao, o fato de eu nao precisar dirigir era algo super facil de lidar. Eu teria metro e onibus a minha disposicao. Tanto que quando eu tava pesquisando sobre a cidade que eu ia morar, eu vi que a 20min (dirigindo) da minha casa tinha uma estacao de metro. Beleza entao.

Dai minha fofa falou que esse ano eu comecaria a dirigir, ja que o baby iria crescer e eu ia ficar bored. Que eu poderia leva-lo em parques e tal. Entao uma das primeiras coisas que eu fiz aqui foi ver sobre a drivers license. Dai acabou que eu nao consegui tirar, era muita informacao e "ah, deixa pra depois". Dai eu conheci o Bobby e ele queria que eu dirigisse no carro dele, entao nada mais sensato que eu tirar a drivers ne? Comentei com minha fofa e ela disse que nao queria que eu tirasse, porque senao o seguro ia ver que tinha mais gente com drivers morando aqui em casa e por isso iam cobrar mais caro, mesmo eu nao tendo que dirigir o carro deles. E que eles nao tinham condicao de pagar o seguro. Entao ta ne? Nao cai nessa, mas como que discute?

Eu tava de boa com isso, com o fato de nao ter que dirigir, com o fato de ficar trancada em casa durante a semana. Ai a Sally mudou pra ca e a gente fez academia por um tempo, e eu vi o quanto eh bom sair de casa depois de um dia de trabalho. Dai juntou com o fato de eu ter que fazer minhas aulas aos sabados de manha porque dia de semana a noite eu nao tenho como ir pra escola, eles nao vao me levar/buscar no metro de noite e eu nao posso pegar o carro e dirigir por conta propria.

Principalmente depois de semana passada que eu fiquei literalmente trancada dentro de casa, eu percebi que nao consigo viver mais assim. No Brasil mesmo nao tendo carro, eu tinha a liberdade de andar 7 minutos ate o ponto de onibus e ir pra onde eu quisesse, a hora que eu quisesse. E eu me dei conta que eu vim pra ca pra aproveitar os USA, e nao so durante os fins de semana, que eu mais fico em casa do que tudo, ja que eh a unica chance que eu tenho de ver o Bobby.

O que me faz pensar tambem que se eu nao namorasse, como iriam ser meus fins de semana? Eu ia pegar um bus e ir pra NYC todo weekend? Ou pra qualquer outra cidade, gastando com transporte/estadia/alimentacao? Eu tenho muita sorte de ter um namorado que me busca/tras todo fim de semana, ja que eh a unica chance que eu tenho de sair de casa.

Dai eu vejo todas as meninas au pairs no grupo comentando como saem dias da semana. Se querem ir ali na Starbucks comprar um cafe, so pegar o carro e ir. Aulas durante a semana? Opa, so me matricular. E enquanto isso eu to no deadline pegando a ultima aula que eu posso, num horario nojentinho de sabado de manha. Tudo porque eu nao posso durante a semana. E a parte ironica disso tudo eh que meu schedule permite, ja que eu fico off as 4:30-5 no maximo. A maioria das aulas comeca as 6:30-7pm, entao mais que suficiente pra se arrumar.

Eu sei que minha fofa fala que me leva aonde eu quiser, mas eu nao gosto de depender dela. Vamos supor que eu quero ir no supermercado comprar chocolates, coisas gostosas e tal. Ai vou com ela, ela fica la me olhando e pensando "po, a gente tem que comprar comida pra ela e ela ainda vem aqui comprar mais?". E obvio que ela nao vai estar sempre disponivel pra ir comigo aonde eu bem entender. E se eu quiser ir ao cinema durante a semana? Como fica?

Sei la sabem... nao sei se essa irritacao eh valida ou nao... Eu tenho uma HF maravilhosa, que compensa por muita coisa, e ate agora, compensava por isso tambem. Mas so de pensar em passar outro ano trancada em casa durante a semana, sem poder ir ali fazer qualquer coisa, eh fogo. Por mais que eu goste de ficar no meu quarto jogando, tem hora que enxe o saco e tem hora que eu quero poder sair pra comer uma coisa gostosa, comprar alguma coisa, enfim. Acho que motivos existem aos montes.

Ai tudo piorou quando uma guria postou no grupo que a HF ta procurando au pair, e ela eh da minha agencia e mora aonde? Na cidade que o Bobby mora. Na vizinhanca mais linda que existe la. Ele me levou de carro la esse fim de semana (porque eu fiquei obcecada com o lugar e queria ir la de novo, hahahahaha) e eu quis morrer. Tem uma pista de caminhada e um parque lindos em volta, da pra fazer tudo andando e tem um centro cheio de lojas em frente, com supermercado, academia, Starbucks, enfim, coisa mais linda.

O que me faz pensar que quem mora em suburbio, igual a mim, tem acesso ao carro. Coisa que eu sei que nao vai acontecer aqui, mesmo os dois carros ficando na garagem quando eles chegam em casa. Eu nao posso usar, nao posso tirar minha drivers license, ou seja, meu destino eh depender da Sally se eu quiser sair (o que acaba em julho, ja que ela volta pra Alemanha) ou ficar aqui sofrendo em silencio.

Eu nao sei o que fazer. O Bobby acha que eu deveria conversar com a fofa, falar que poxa, eu so tenho 21 anos, que eu vim pra ca pra conhecer mais lugares e nao pra ficar em casa todos os dias. Que eu queria estudar durante a semana tambem, e ter a oportunidade de sair pra fazer qualquer coisa quando eu quisesse. Que as vezes eu fico bored e isso implica no meu humor, e que eu quero muito extender com eles, mas que eu nao consigo mais viver assim.

E eu fico pensando, eu sei que eu vim pra trabalhar. Mas na boa? Eu vim pelo pacote. Se for pra ficar trancada dentro de casa a semana inteira, parecendo que nem nos USA eu to, eu prefiro ficar trancada na MINHA casa.

#82

Oi gente! Vim aqui contar como foi semana passada. Como eu contei, segunda feira eu fui ao medico e descobri que ainda tava doente. Minha fofa ficou preocupada comigo passando o que quer que eu tivesse pro baby, entao eu fiquei a semana INTEIRA sem trabalhar. Me senti um lixo, afinal de contas, eu tava sendo um incomodo e ela tava tendo que ou nao trabalhar ou pagar daycare pra ele.

Na quarta de madrugada o mais velho passou mal de novo a noite (alias, eu tava no banheiro quando ele acordou vomitando, e eu quem o ajudou e fui acordar os pais). Eu entreguei meus resultados na quinta e eles ficaram prontos ontem. Acabou que eu nao tinha mais nada, to boa pra voltar a trabalhar.

Minha LCC me ligou na quinta mesmo falando que minha fofa ligou pra ela sem saber o que fazer, ai a gente conversou um bom tempo e como num passe de magica, eu consegui fazer as amostras que a medica pediu. Eu ia trabalhar sabado, mas como eu ainda nao tinha os resultados, minha fofa disse que eu nao precisava trabalhar. Meu fofo ficou em casa segunda e terca, pq ele tambem tava passando mal, ai a partir de quarta eu fiquei sozinha em casa todos os dias (exceto quinta, que o mais velho ficou aqui com a mae). Acabou que eu pus a louca na dishwasher e arrumei o quarto dos meninos, mas nao quis fazer mais nada porque minha fofa tava com medo de eu "contaminar" o resto da casa.

Acabou que eu passei a semana trancada no quarto, a base de sopa, applesauce e gatorade. E frutas, claro. Depois dessa semana eu vi o quao boring eh ficar sem fazer nada, e to doida pra amanha voltar a trabalhar. Minha fofa me pagou do mesmo jeito, alias, ela me pagou $170, descontando $10 dos remedios (que foram $15 na verdade) e os outros $20 ela disse que me dava depois, eu mandei uma text falando que nao precisava (porque ne? nem me pagar ela precisava)

Ai como antes dos meus resultados ficarem prontos ela disse que eu podia ficar no Bobby hoje tambem, eu acabei ficando. Quando o pessoal do hospital me ligou ontem, eu mandei mensagem pra ela perguntando se ela queria que eu voltasse ontem a noite, ja que eu tava boa, mas ela disse que como ja tinha me dado o dia off, eu podia voltar so hoje a noite.

Entao foi isso, passei uma semana super boring dentro de casa, comendo quase nada e fazendo nada tambem. Isso me fez pensar muito em algumas coisas, mas que eu volto a falar aqui se for pra acontecer. Amanha ela deve me matricular nas aulas que comecam sabado agora (finalmente), entao eu volto pra contar como foi.

Apr 23, 2012

#81

Quando a gente ta doente, o que mais queremos eh colo de mae. To errada? Mas e quando a mae ta a muitos km de distancia? A gente se arranja como pode...

Lembram que eu comentei aqui que peguei a diarreia do meu menino? Pois eh, a bixinha nao me abandonou desde entao. Na sexta feira ele acordou ruim de novo e guess what? Ficou em casa de novo. Achei que ia ser outro tormento mas como o pai dele tinha comprado nao uma, mas duas surpresas (dois bonecos do Toy Story enormes) e ele so ia ganhar se nao me desse trabalho, ele ficou igual um anjo o dia todo. Quietinho no quarto, ate o pai dele chegar e por ele pra nap e depois leva-lo pra cortar o cabelo. Entao tirando a parte 'banheiristica' da minha sexta, o dia foi ate tranquilo.

Pausa pra contar que meu fofo tava literalmente um fofo comigo. Na quinta ele me ligou pedindo um favor, pediu please e agradeceu depois. E na sexta tava agindo 'normal' (o normal do ser humano educado, nao o normal dele, por isso as aspas).

Mas sexta feira eh dia de ir pro namorado, entao eu aprumei e me arrumei. Mas acabou que ele comecou a ficar ruim do estomago tambem, e eu tive que 'melhorar' pra cuidar dele. O fim de semana foi tranquilo, ate que eu voltei pra casa no domingo a noite. Simplificando, eu so consegui dormir as 4:30 da manha. Pra acordar hoje as 7:30. Acordei morrendo, ne? Depois da noite que eu tive no trono, HAHAHA.

Enfim, desci, o fofo tava de cama tambem, com a mesma coisa. A fofa na hora que me viu percebeu que eu ainda tava ruim, entao ligou no Righttime (um consultorio/hospital que tem por aqui, nao sei se tem nos US todo) pra marcar minha consulta. 8:30 eu tava aqui no quarto deitada pra dormir de novo, ela levou o baby pro trabalho com ela e quase 11 horas voltou pra nos levar (eu e o fofo) pro medico.

Gente, mesmo esperando quase 1 hora pra ser atendida, que atendimento, viu? Na hora que vc chega eles pegam sua ID e o cartaozinho do seguro. DICA pras meninas da CC, levem o cartao de papel que a agencia te manda e o azulzinho que vc recebe aqui, porque nele tem uns numeros que vc vai precisar. Dai te dao tipo um computadorzinho pra tu preencher suas infos, se tem alergia, enfim, um questionario eletronico.

Dai vc vai pra uma das salinhas e uma enfermeira vem medir sua pressao, te pergunta o que vc tem e fala que logo a medica vem. Uns 30 minutos depois a medica veio, conversou comigo, anotou os sintomas e fez a prescricao. Ainda me deu um comprimido pra eu me sentir melhor. Ela tbm pediu amostras pra levar no laboratorio e analisar. Eu fiquei uns 40 minutos no consultorio e achei o servico excelente. No Brasil eu sempre achava meus medicos super impessoais, e aqui ao menos pareceu que eles se importam, tomam nota de tudo e qualquer detalhe eh importante, tipo o fato que eu tava no Brasil semana retrasada. Ela acha que pode ser um parasita brasileirinho que veio comigo.

Depois da consulta eu voltei pro balcao pra pagar, a consulta total foi $220, dos quais eu paguei $35 e o seguro vai pagar o resto. Simples assim. Eles tbm me deram a prescricao dos (tres) remedios que eu vou ter que tomar, e eu ja fui na CVS pra fazer o pedido. Minha fofa ta la agora buscando, o seguro cobre tambem. E eu acho que vai ser bem caro, viu?

Agora a parte linda de tudo isso, a host family. Desde o primeiro minuto minha fofa mandou eu vir descansar, pra eu nao preocupar, na hora que eu entrei no carro meu fofo virou pra mim e falou que isso nos mostra o quando a gente tem coisas em comum (isso eu achando que ele tava filosofando sobre como o ser humano eh fragil) ele vai e me solta que eles se importam muito comigo, que ele queria que eu visse isso e que o que eles mais querem eh que eu me sinta parte da familia. Quase chorei, hahahaha. Dai claro, na CVS ele voltou a ser o asshole de sempre infernizando a fofa que os remedios tavam demorando demais.

Ela subiu aqui, trocou minha roupa de cama inteirinha, vaporizou meu quarto com um spray que mata germes, lavou minha roupa de cama e disse que amanha troca de novo. Comprou gatorade pra mim e agora foi comprar mais applesauce e sopa. Disse que assim que eu quiser comer (eu so comi  uma banana hoje e nao to com um pingo de fome) eh so eu pedir que ela faz um arrozinho branco pra mim. Que nao eh pra eu preocupar (eu claro, fiquei louca quando vi que nao ia conseguir trabalhar ne, ja que ela teve que cancelar os meetings pra vir cuidar de mim, do marido e ficar com o baby).

Acho que nessas horas, mesmo querendo a mamae aqui do meu lado, eu fico feliz de ao menos estar numa familia que se preocupa comigo. E eu nem ligo se eles so se preocupam com medo de eu contaminar os pimpolhos deles, eu to sendo bem cuidada na hora que eu mais preciso, e nao tem nada que pague isso!

PS: hoje eh meu 'aniversario' de 7 meses aqui na HF. Bela maneira de se comemorar, hein?

Update: minha fofa acabou de chegar da CVS, e o seguro nao cobriu. Ela pagou por dois remédios (cerca de $15) e o terceiro, que era $30, ela tinha um resto aqui então eu tomo ele por enquanto. Ela disse que eu nao preciso pagar de volta. Além disso trouxe esse "mimo" pra mim:

Apr 19, 2012

#80

Dizem que tudo que tem seu lado ruim tem um lado bom tambem. E eu sei exatamente o porque eu devo agradecer por estar nessa familia, mesmo com todos os desafios diarios. Minha fofa. Gente, lembram que eu contei da recepcao horrorosa do fofo? Pois eh.

Na segunda mesmo, depois que eu fiquei off, eu fui descer pra tomar um banho. Na hora que eu saio, quem eu encontro no corredor? A fofa. Que me abracou, falou 'welcome' umas trinta vezes, comentou do meu cabelo, falou o quanto sentiu saudades e tal. Ai eu subi e um pouco depois ela me ligou pro jantar, que foi super agradavel, ela o tempo todo comentando as coisas que eu tava contando, perguntando sobre a viagem, super interessada, isso o fofo so olhando e tal. Depois da janta ele desceu pro basement e eu fiquei la na cozinha ainda com ela um tempo, conversando e ajudando a tirar a mesa da janta. Tudo tao natural, tao simples, que me fez sentir querida aqui de novo.

Dai terca o dia foi super otimo, ela quem estava aqui de manha e eu pude comecar as 9:30, pq ela tinha um meeting a tarde e so chegaria em casa as 6 e pouco. Mas de verdade mesmo, eu so comecei a trabalhar as 10:30, porque antes a gente foi no post office pra eu buscar um pacote super especial: minha mae me mandou mes passado uma carta e uma coruja de pano, linda! Mas eles entregaram aqui na epoca que eu tava saindo de ferias, entao teve todo aquele gostinho especial de quem acabou de voltar de casa e ainda ta morta de saudades.

O resto do dia foi tranquilo, eu sai pra passear com o baby a tarde naquele calorzinho e gente, que delicia viu! Tava um vento muito bom e eu dei asas aos meus pensamentos, coisa que sempre acontece quando eu vou caminhar ouvindo musica. E acho que toda essa tranquilidade de terca era pra me preparar pro dia que eu ia ter na quarta... Sentem que la vem historia.

Acordei no meu horario normal e ja ouvi o mais velho. Pensei 'xii, nao foi com o pai pra escola'. Desci e ele ta la de pijama, deitado. Acordou vomitando e tava com diarreia, ou seja, nao ia pra escola. Mas como ele tava doente, o plano era ficar deitadinho assistindo Toy Story (ja contei aqui que ele ta na fase, ne?) o dia todo. A mae foi embora so umas 10 horas com a recomendacao pra se ele fizer mais coco nas calcas eu nao preciso limpar, so jogar a cueca fora. Entao ta, ne?

Mas gente, quem disse que depois que ela foi embora ele ficou quieto? Eu subi pra assistir o filme com ele e ele ficava pulando na cama toda hora, mesmo sabendo que nao pode (os pais enfatizam isso muito), ai eu brigava, ele parava, mas passava um pouco, olha ele la pulando de novo. Ai vcs imaginam ne... a cama quebrou. O estrado aonde fica o colchao e um pouco que tava pregado na propria cama. Na hora ele comecou a chorar, falando que nao era a intencao dele, enfim, um barraco, ele chorando, o baby chorando. Mas eu abracei ele e falei que era por isso que ele nao podia pular, mas que tudo ia se ajeitar. Ai pedi pra ele segurar o notebook da fofa (a gente tava vendo o filme nele) pra descer pra sala, que eu tinha que fazer a papinha do baby. Ele nao foi e derrubou o notebook no chao? La vai choradeira de novo...

Isso sem contar a bagunca do quarto dele, eu tentei arrumar mas que nada, ele ia e jogava todos os brinquedos no chao de novo. Ai depois que tava todo mundo alimentado - ou melhor, o baby ne, pq ele nao quis comer a sopa que a mae tinha separado e eu me contentei com uma banana, pq nao tinha condicoes de fazer almoco pra mim, ate pq ele tbm ia querer comer o que eu estivesse comendo. Subi, peguei meu notebook e coloquei O Rei Leao pra ele assistir (eu tenho baixado em ingles). Acabou que todo mundo sentou no sofa pra assistir, o baby dormiu no meu colo, ele ficava querendo sair do sofa e fez um pouco de manha mas assistiu o filme todo.

Nisso minha fofa mandou txt perguntando se tava tudo bem, se ele tava melhor e tal, e avisando que ela ia atrasar pra chegar (ela tinha dito que viria na hora do almoco), eu respondi que ele tava melhor e um pouco depois ela me mandou um video perguntando se ele tava me obedecendo e tal, eu mandei outro e resolvi ja contar da cama logo. Nisso passa uns 20 minutos meu fofo me liga perguntando que que tinha acontecido com a cama e pedindo pra falar com meu boy, mas pra eu nao ouvir pq nao ia ser bonito... Meu boy pegou o celular todo feliz ate que a gente comecou a ouvir os berros do pai, claro que ele comecou a chorar ne?

Passou um pouco meu fofo pediu uma foto da cama quebrada. Pra quem nao sabe, meu iphone nao funciona como telefone, so como ipod, entao eu nao posso mandar txt pra numeros normais, so pra quem tem iphone/ipod, pq ai manda como imessage. Meu fofo tem iphone, mas eu nao sei pq nao tava conseguindo mandar, ai mandei pra fofa pedindo pra encaminhar pra ele... Passa um pouco ele me deixou um voicemail SUPER grosso e mal educado, quase gritando, perguntando cade a tal da foto. Eu so respondi avisando que tinha mandado pra fofa e ela iria encaminhar.

Acabou que 3 e tanto ela chegou em casa, teve uma conversa seria com o boy, ele ficou de time out, fez ele pedir desculpas pra mim por nao ter me obedecido (isso pq eu so contei metade da opera aqui) e depois a gente subiu pra ajeitar a cama. Ela tirou o estrado de baixo e pos na parte de cima, aonde tinha quebrado. Assunto resolvido por ora, meu fofo nem olhou a cama, e caso encerrado. Aquele drama todo por quase nada. Eu ainda nao tive a 'honra' de ve-lo depois da mensagem educadissima entao nao sei se ele vai falar algo, mas eu mostrei pra fofa e ela disse que esse era o jeitinho dele. Entao ta, ne...

Ah, e sabe-se la porque, quem amanheceu com diarreia hoje fui eu. So espero que nao seja virose que eu peguei do boy, pq ta froids viu?

Apr 16, 2012

#79

Oi gente! Vim aqui contar o restante da minha viagem pro Brasil, minha volta aqui pros US e meu primeiro dia de trabalho... Aonde eu parei mesmo?

No domingo nossos planos era ir pra uma churrascaria, mas tava tudo tao horrivelmente caro que a gente foi prum restaurante normal mesmo... mas com carne! Comi ate nao poder mais, hahahah! Depois voltamos pra casa e ficamos na preguica o dia inteiro. E de noite minha mamis fez pastel *-*



Segunda eu fui pro shopping almocar com uma amiga minha da faculdade, ficamos o dia todo la e a noite fomos buscar o namorado dela no trabalho, mas tava chovendo tanto que a gente ficou presa no transito, em frente a outro shopping. Ate que resolvemos entrar pra comer e tal, acho que eu cheguei em casa umas 9 e tanto. Aproveitei e comprei o ovo de pascoa da Raira e do Bobby.





Na terca eu passei o dia todo fazendo o caderno de receitas que o Bobby pediu. Acho que nunca caprichei tanto num caderno igual esse, viu? A noite fui com meu pai comprar pamonha que eu tava seca de vontade e passei na minha tia pra dar oi, ainda ganhei um ovo de pascoa tambem! E na quarta eu fui no salao de manha pra fazer as unhas e depilar decentemente com cera, depois fui encontrar um outro amigo meu, coloquei meus reais no VTM de novo e fui pro aeroporto.




A primeira vez que eu vim minha mae nao chorou, meu pai chorou so quando eu entrei no aviao, entao eu achei que dessa vez por eles saberem que eu tava vindo pra um lugar que eu ja conhecia e tal, seria mais facil, mas foi muito pior. Os dois choraram, eu segurei o choro pra consola-los, foi terrivel. Acho que dessa vez as duas partes sentiram a despedida mais forte. Cheguei em Sao Paulo 8 e tanto da noite e liguei la em casa, eles tinham acabado de ver o postal que eu deixei dentro do meu notebook (que eu deixei pra minha mae - alias, por isso que o post ta sem acentos, eu to usando o do Bobby ate eu comprar um pra mim) e tavam chorando tanto, tadinhos. Ai desliguei o telefone com eles firme e forte e liguei pro Bobby e chorei chorei. Ai acalmei e fui pro salao de embarque, esperei um pouco e sentei no aviao.



Ainda bem que eu dormi a viagem inteira dessa vez, tava super cansada, tentei assistir um filme mas apaguei antes, nem o cafe da manha que eles serviram eu tomei, hahahah. Dai cheguei em NY 7 e pouco da manha, a imigracao foi bem rapidinho, o cara fez uma piadinha quando eu falei que era au pair (acho que ele nem olhou no meu DS que eu ja moro aqui ha 7 meses), tudo foi super tranquilo, ai demorou uns 30 minutos pra minha mala descer, peguei o airtrain pra Jamaica station, de la peguei o trem pra casa da Raira e fiquei com ela ate 1 da tarde. Foi bem legal, a gente brincou no Wii com as kids dela, sopramos bolinha de sabao, eu tirei trocentas fotos com a camera maravilhosa dela.

LIRR - trem pra Long Island



Ai peguei o trem de volta pra Penn Station, de la fui ate o Port Authority de metro e desci uma rua antes da onde eu iria pegar o bus. Fiquei quase 1 hora na fila (enorme) ate que finalmente deu a hora de voltar pra DC. Cheguei aqui umas 8 e tanto da noite, peguei o metro e fui pra casa do Bobby. Ele tirou a sexta off e ficamos juntos o fim de semana inteiro.

No domingo a gente foi pra DC pra uma super ocasiao: a Fe (aquela mesma que me encontrou em Congonhas quando eu tava vindo pra ca) tava por la com os fofos dela, ai depois de uma novela pra gente se encontrar, uma mais perdida que a outra, a gente conseguiu passar um tempinho juntas e almocar. Voltei pro Bobby e a noite o coracao comecou a apertar, sabendo que as ferias tinham acabado e agora era voltar pra vidinha de au pair.




Cheguei em casa 9:30 da noite e so o DJ tava acordado, dei um oizinho pra ele de longe (ele tava deitado na cama) e subi com minha super mala. Tudo estava do jeitinho que eu deixei, com excecao das roupas que eu tinha esquecido na secadora na ultima sexta que eu tinha trabalhado antes de viajar (e tinha mandado um txt pra minha fofa perguntando se ela queria que eu voltasse pra tirar) e ela tirou da secadora e deixou dobradinho pra mim na cama.

Hoje o dia comecou estranho, eu acordei como de costume as 7:20 e desci direto pro banheiro, dai fui pro quarto dos meninos abrir as janelas (o quarto do mais velho uma bagunca). Nisso meu fofo so perguntou se eu ia pegar o E*, fui la, peguei e fui trocar a roupinha dele, coisa que demorou uns 15 minutos porque eu tive que trocar 3x, ja que tudo ficava muito grande. Nisso eu ouvi minha fofa no telefone e quando eu desci, ela ja tinha ido embora. Meu mais velho desceu pedindo mais cereal e meia hora depois, ele foi pra escola com o pai, que claro, nao falou uma palavra comigo. Nem parecia que eu tinha ido embora por duas semanas.

A manha foi bem triste pra mim, a alimentacao do baby mudou mas ninguem me explicou nada, eu nao sabia o que dar de cafe da manha pra ele ja que o que ele geralmente comia nao tinha. Cafe da manha pra mim nem se fala, o leite que tinha tava vencido e era o mesmo que eu tomei quando sai daqui, ou seja, duas semanas aberto na geladeira. Nao tinha bagel, nao tinha nada. Tomei cereal com um pouco do leite sem lactose do mais velho e na hora do almoco fiz um pate de atum com o pao integral que eu tinha comprado duas semanas atras e tinha esquecido que tinha ficado aqui, porque tambem nao tinha comida (alias, ate tinha, mas tudo aberto na geladeira e eu nao sei quantos dias tava la, porque o pessoal aqui nao joga nada fora). A dishwater tava cheia e eu fui la esvaziar a louca que eu nao tinha usado, a cozinha/sala numa bagunca sem fim, um monte de vasilhinha que eles usam pra por a comida do baby guardadas no closet sujas. Enfim, a casa tava um desastre, umas 2 horas depois tava um brinco, eu arrumei aonde eu trabalho e algumas coisas que eu nao ia ficar aguentando olhar, dai quando deu 1 pm meu fofo chegou e desceu pro basement, ficou la ate as 3 e pouco, quando saiu pra buscar o mais velho. Ele disse que ia levar o baby com ele, mas ne? Levou bosta. Ai chegou 4 e 20 e me liberou, eu peguei minhas coisas pra subir e ele 'See you tomorrow', do tipo 'nem descer pra comer aposto que vc nao vai'.

Sei la, acho que porque tava tudo tao bom no Brasil pq eu tava sendo a novidade da vez, eu meio que to triste. Claro que eu nao esperava nada deles, mas poxa, eu fiquei fora duas semanas, e melhor ainda, fiquei fora na MINHA casa, aonde eles sabem que eu fui super bem tratada. Custa se importar um pouquinho? Meu fofo ao menos fez compras e comprou meu leite e meu bagel, mas nada de coisa pra eu almocar. Tomara que as coisas nao tenham mudado por aqui e agora seja lei ele estar todas as manhas aqui, porque eu juro que nao aguento nao. Quero minha fofa de volta pra poder conversar e me fazer sentir em casa de novo.

BTW hoje eu faco seis meses de namoro, entao eu tenho esse motivo lindinho pra me deixar feliz. Alias, ele eh o unico motivo que me impede de fazer minhas malinhas de volta e voltar pra casa. Pra MINHA casa.

Apr 7, 2012

#78

Êêê Goiânia, não deu pra segurar a barra então eu voltei...

Pois é, aqui estou, morrendo de calor mas aqui. Na quarta feira peguei meu vôo às 2 da tarde, sentei na janela e até Brasília, fui sozinha no banco, foi bom que eu deitei e dormi um pouco... Aí o avião ficou quase 2 horas parado em Brasília, praticamente lotou e 25 minutos depois estávamos aterrisando aqui em Goiânia. O tempo tava super chuvoso e aqui quando chove, o trânsito não anda. Peguei minha mala e fui direto pro ponto do táxi, já entrei explicando qual rua que eu queria que ele pegasse pra chegar aqui em casa e ele virou "Nossa, mas então você conhece aqui demais, hein?", nisso eu fui explicar que moro aqui desde sempre e tal. Conversa vai, conversa vem, eu contei que tinha vindo de surpresa e blablabla.

Quando a gente chegou aqui em casa (R$45 - FACADA) eu desci minha mala e ele deu a idéia de bater no portão e falar pro meu pai que tinha uma surpresa pra ele, daí eu aparecia. E foi assim que a gente fez, meu pai pos a cabecinha de fora do portão, o motorista falou que tinha uma surpresa pra ele e eu apareci do lado dele, hahahaha.  A reação do meu pai foi impagável, ele ficou com a cara sem entender perguntando "que que é isso? que que aconteceu? vc voltou?" e eu só "pai, vê se eu ia voltar com uma malinha dessas". Nisso diz minha mãe que ouviu minha voz e pulou do sofá tão rápido que bateu o joelho no chão.


Aí ela ficou na porta de casa, eu cheguei e dei um abraço e ela abriu a boca a chorar, as pernas tremeram e ela quase desmaiou em mim, tadinha. Toda hora perguntando o que tinha acontecido, que que eu tava fazendo lá, se eu tinha perdido o programa, se eu tinha voltado pra casa, se eu tinha dinheiro, enfim, uma novela. Sentei todo mundo, acalmei eles e fui contar que desde o Natal eu tava planejando vir e comecei a guardar dinheiro no começo do ano, que era pra fazer surpresa e quase ninguém sabia que eu tava vindo. Aí mais um pouco de choro e minha mãe sem acreditar que eu tava aqui mesmo, ela foi me contar que tava sentindo que tinha alguma coisa errada, que tinha alguma coisa rolando, que ela mandou inbox no facebook pro Bobby e ele falou que eu tava sem computador e sem celular mas que tava tudo bem, ela ficou doidinha mais ainda, achando que eu tinha engravidado, perdido o programa e tava morando com ele. Mente de mãe é uma coisa doida, né?

Daí falei pra minha mãe ligar pra minha prima falando que tinha chegado uma caixa pra ela aqui em casa, pra ela vir buscar. Passou uns 20 minutos ela tava aqui, aí ficou na sala esperando minha mãe buscar a caixa e puff, eu apareci. Ela quase morreu, não quis acreditar também, me deu quinhentos abraços e a gente ficou lá fofocando. Minha mãe ligou pras minhas tias e eu falei com todo mundo, e combinamos de nos encontrar na noite de quinta. Aí minha prima foi embora, meu pai pediu uma pizza (frango com catupiry!! que saudade) e fomos arrumar meu quarto (que virou escritório) pra eu ficar aqui.


Na quinta de manhã a gente foi cortar meu cabelo, comprar meu ovo de páscoa e comprar um tênis (eu vim com a bota e uma havaianas e só, HAHAHAHA). Daí eu vim pra casa me arrumar e a noitinha a gente saiu, a família toda, prum  barzinho. Comi churrasco de picanha com mandioca e tomei suco de laranja NATURAL (delícia delícia). No almoço minha mamis tinha feito bife à milanesa e purê de batata, com arroz e feijão preto. Percebe-se que eu só tô comendo aqui, né?


Aí sexta foi feriado e fomos todos pra minha tia, eu vi o resto da minha família e fiquei lá a tarde toda, a noite minha mãe ligou pra minha melhor amiga falando que tinha um pacote aqui pra ela, ela tava no cinema com o namorado e falou que depois passava aqui pra pegar. Quando deu umas 8 horas ela chegou com o namorado e na hora que me viu, ficou com a cara sem acreditar também. Minha mãe fez um macarrão pra gente e um pouco depois, o namorado dela foi embora e ela ia dormir aqui, ficamos fofocando e conversando e matando a saudades, daí hoje ela me acordou cedinho (só ela mesmo pra me acordar cedo, viu?) e ficamos vendo tv, aí meus pais levaram ela em casa.




A tardezinha fui no salão terminar de ajeitar o cabelo e depois fui no shopping com minha mãe comprar umas calças jeans. Amanhã eu e meus pais vamos numa churrascaria e segunda devo almoçar com uma amigona da faculdade. O plano seria domingo a noite eu pegar o ônibus pra Belo Horizonte, pra ver minha outra melhor amiga, aí ficava lá com ela até terça a noite, pegava o bus de volta, chegava aqui quarta de manhãzinha, passava o resto do dia com meus pais e a tarde pegava o vôo pra Guarulhos. Mas minha mãe tá surtando aqui que não vai dar tempo, então eu tô tentando ver se minha amiga vem ou se eu vou de avião. Veremos o que rola, hahaha.

#77

Tá difícil conter as lágrimas, viu? Agora é um daqueles momentos em que eu vou lembrar pra sempre. Meu ônibus sai a meia noite e agora são 10:02, eu cheguei aqui na Union Station às 8:30 e tô super ansiosa. Com medo? Demais. Mas mais ainda ansiosa. Vou chegar em Nova York as 4:40 da manhã, pegar o trem e ir pra casa da Raíra, que vai me hospedar até terça.

Amanhã tem show na city pra ir, do Andrew W. K., e durante o tempo livre, passear por aí. Terça as 7:30 da noite eu pego meu vôo pro Brasil. Vou ficar algumas muitas horas em Guarulhos (8 horas pastando) pra pegar meu voo pra Goiânia. Ninguém além de dois amigos meus sabem que eu tô indo, mas nenhum pode me buscar no aeroporto, então provavelmente eu devo pegar um táxi e aparecer na porta de casa... Tô louca pra ver a reação dos meus pais, e a minha também. Vou ficar até a próxima quarta lá, devo passar uns 2 dias em Belo Horizonte pra ver minha amiga que mora lá (e que sabe que eu tô indo) e volto pra Goiânia pra pegar meu voo de volta.

Não sei bem do que eu tô com medo, se é de gostar tanto de estar de volta que eu não vou mais querer voltar, se é medo de perceber que a minha casa não é mais minha casa, enfim, não sei. Medo de tá tudo do mesmo jeito e eu ter mudado tanto que não dou mais a mesma importância pras coisas. Medo de ver que tem tanta gente sentindo minha falta que eu fico triste de nao poder traze-los comigo.

Nao sei... medo.

---

Cheguei! Tô aqui no Brasil! E tendo um dos sentimentos mais estranhos, não sei. Eu sinto que eu não pertenço mais aqui, tô super rabugenta e louca pra voltar pra minha vidinha nos states. Claro que eu associo isso ao fato de não ter dormido NADA no vôo, então o que eu preciso é cama mesmo. Além disso acho que não dá pra associar "gente de aeroporto", que tá tudo morto de cansado, com a população em geral. Mas o blog é meu então acho digno eu postar as MINHAS impressões da terrinha.

Mas vamos começar do começo... No domingo eu peguei meu bus meia noite e não preguei o olho durante a viagem. O bus parou em Baltimore e depois na Philadelphia (e eu acordadona, sentada no primeiro banco, vi a cidade toda e cheguei a conclusão que nem faço questão de ir lá) e finalmente, New York. Chegamos lá 4:56 e eu fui a pé pra Penn Station (andei cerca de 6 ruas) e fui comprar o ticket do trem pra casa da Raíra, que me recebeu de muita boa vontade lá em Long Island. O ticket era pra 5:47 e eu fiquei lá sentada esperando dar a hora. Uma hora depois, tava descendo em Syosset. Meu celular tava sem bateria desde o dia anterior e eu esperei uns 10 minutinhos na estação, até ela aparecer.

Chegando na casa dela, ela me mostrou o quarto dela e o quarto de hóspedes que eu iria ficar, daí conversamos um pouquinho e eu capotei. Acordei às 10 porque ela tinha que ir pra NYC pegar o visto canadense dela, eu fui com ela pra já ficar direto pro show que eu ia às 7pm, do Andrew W. K. Enquanto ela foi no consulado eu fiquei lá fora esperando, daí fomos comer uma pizza no Famiglia, que tem altas fotos de famosos que visitaram lá, super famosinha a pizzaria. Aí ela voltou pra casa pra trabalhar e eu fui pro Central Park dormir (juro, hahaha).


Mas nem dormi, fiquei lá sentada moscando e observando as pessoas, morrendo de dor nos pés (maldita bota!) e com muito sono. Quando deu umas 5pm eu peguei o metrô, fui pra Chambers Street, andei até o City Hall e peguei o metrô pra rua 14, e o show era na rua 11. Achei o lugar, andei até achar uma Starbucks (eu e minha dor de barriga que só me aparece em NYC, impressionante) e voltei pra fila... que fila? O local (Webster Hall) tinha entrada por um pub, todo mundo entrou no pub e um tempo depois entramos no local do show. Eu achei um sofázinho e lá fiquei durante quase 2 horas, assistindo as 2 bandas que tocaram no começo (horrorosas) e só levantei quando meu mocinho entrou no palco.


Gente. Gente. Que show foi aquele. MELHOR SHOW DA MINHA VIDA (eu sempre falo isso, né?) Primeiro que ele tocou TODAS as músicas do meu CD favorito, segundo que o show não foi show, foi uma festa. Ele puxou um monte de fãs pro palco, abraçou um monte de gente, foi uma bagunça. Quis morrer porque tava no fundo e com minha mochila, mas não sei se eu teria coragem de subir anyway. Daí quando o show acabou ia rolar uma after party com ele, free. Mas eu tava muito morta então resolvi ir pra casa. Peguei o trem 11:00 e a Raíra me buscou na estação por volta de meia noite. Capotei na cama de novo, né?


Daí terça a gente foi na CVS comprar umas coisinhas de páscoa pras duas fofinhas dela, pausa pra fofa que escreveu Chicken Marshmallow e a gente ficou louca procurando o que diabos era isso, até que a moça nos ajudou e trouxe uma caixinha com 6 ou 8 (não lembro) pintinhos amarelinhos de marshmallow. Então tá né? Fomos almoçar num restaurante chinês super delícia, com um pessoal super de bom humor trabalhando lá (not) e depois voltamos pra casa dela, eu tomei banho e ela me levou na estação de trem.

Desci em Jamaica e eles tem um Air Train pro JFK, $5 só. Peguei e desci na estação 4, que é aonde a TAM fica. Fui pra fila do check-in, a moça super simpática, levei minha mala pra despachar e fiquei moscando até a hora de entrar no avião. Peguei um assento na janela, fiquei super feliz! Durante o vôo eu assisti um monte de filmes que agora eu esqueci quais foram, hahaha. Cheguei aqui em Guarulhos às 6 e pouco am e tô aqui super a toa, meu vôo pra Goiânia é as 2 da tarde. Já dormi, já comi açaí (horrível e caro (13 reais), mas melhor que fast food e eu tava seca por açaí), tô morta de sono, meu pé não me pertence mais, tô com saudade de "casa" e com saudade de falar em inglês. No vôo eu automaticamente respondia os comissários em inglês, ai eles respondiam de volta em português e eu ficava com aquela cara de tacho.



---

Ainda são meio dia e meia e meu vôo sai em duas horas. Ao menos eu já entrei no salão de embarque, e claro, o wifi não funciona. Li no kindle o tempo inteiro, cochilei, comi no Mc Donald's (só um Quarterão com Queijo, 5 reais.) Achei tudo tão caro que nem compensa pegar a promoção. Sério, o Angus que eu pego por $8 a promoção, aqui tava 25 reais. Acho que o choque foi maior do que eu esperava, e ok, vai ser lindo ver meus pais e minhas amigas, mas eu não consigo mais morar aqui. Se com 6 horas de Brasil eu já tô pirando, pensa no meu estado se eu tiver que morar aqui pra sempre forever? Acho lindo quem depois de terminar o programa volta, constrói uma carreira e tudo, mas não é pra mim. Podem me chamar de metida e esnobe, mas só eu sei a sensação de estrangulamento que eu passo aqui.

Principalmente depois de seis meses morando fora, eu tô prestando atenção em cada detalhezinho "bobo". Tipo as pessoas comendo e não esvaziando as bandejas, deixando na mesa. Uma moça que pos a cadeira pro kid ficar em pé EM FRENTE ao caixa de um fast food e não tirou. Deve tá lá até agora, a cadeira. Na escada rolante não rola aquela organização de direita-parado, esquerda-andando. Até mesmo o sincronismo das pessoas andando, todo mundo acha que tá certo e quem tem que desviar é o outro. Sem cortesia nenhuma. Os funcionários, quando eu fui perguntar em qual portão eu deveria embarcar (meu ticket tava confuso), me respondendo com falta de educação ou então chamando a fulana pra me ajudar. Duas pessoas vieram me pedir uma "ajudinha" com dinheiro.

E o mais estranho (pelo menos pra mim) é ouvir português o tempo todo. Eu tô pensando em inglês, quando alguém fala comigo eu preciso parar e pensar na frase em português. Quando eu tô nos usa e ouço português eu fico toda empolgadinha, adoro. Mas agora que eu tô aqui SÓ ouvindo português, tá me dando uma aflição sem limites. Eu liguei pro Bobby pra avisar que eu cheguei e me deu uma coisa tão boa de estar falando em inglês de novo. Acho que isso é um bom sinal, né? Até dos meus fofinhos eu tô com saudade, hahahahah.

Não, e o desfile de moda que é esse aeroporto? No JFK tinha cada "mendigo", todo mundo mulambento e confortável, que é a coisa mais lógica. Mulherada de cabelo pra cima, moletom e tênis, todo mundo de boa. Cheguei aqui e já perdi as contas de quantas mulheres de salto (finíssimo), maquiagem impecável, e nem é arrumada tipo "mulher de negócios" (que tinha no JFK tbm, claro). É do tipo shortinho + blusinha costas de fora + salto alto e escova no cabelo. Sabe. Pra quê?? Eu ia vir de calça jeans, mas pensei melhor e pus uma das calças que eu uso pra trabalhar, de moleton. O foda é que ela tá com um furo na bunda (podem cruxificar: eu trouxe pra minha mãe costurar, HAHAHAHHA), daí pus minha saia por cima, uma blusa preta básica e a (maldita) bota. E minha mochila, e gente, é isso. Agora aqui eu me sinto maior mulambenta (e claro que levei VÁRIOS olhares de reprovação).

Acho melhor parar esse post por aqui, senão fico com fama de rabugenta, hahahaha. Mas gente, dêem um desconto pra pessoa aqui, eu tô há 25 horas sem dormir, toda dolorida e com fome (porquê o estomâgo tem que acostumar com a comida daqui de novo, né?). Pra melhorar, o avião faz escala em Brasília e vai ficar 1 hora parado lá. Além disso tudo, tô ansiosíssima pra chegar no aeroporto de Goiânia, pegar o táxi e bater no portão lá de casa. O iPhone descarregou, mas eu vou tentar por o 3DS pra gravar a reação dos meus fofuxos quando abrirem o portão.

---

Gente, hoje já é sábado, tô em casa e já vi quase todo mundo, mas depois eu venho aqui contar como foi a reação (que eu não consegui filmar) e tudo o mais, que agora eu vou é aproveitar meus pais, hahaha! Beijo :D